Ontem na abertura de nosso evento em Brasília, o 11o. CertForum apresentei uma conta simples para mostrar o impacto que é para nosso país da desmaterialização de processos, isto é, a troca do velho e tradicional documento em papel pelo documento eletrônico, e onde couber, assinado digitalmente.

Às 10:35 do dia 10/set/2013 as autoridades tributárias1 tinham contabilizado 7.583 bi NF-e autorizadas (999.013 mil emissores), considerando-se três vias para uma nota fiscal temos:
7.583 X 3 = 22.749 Bi de folhas
A literatura especializada nos diz que:
  1. para produzir 1 Tonelada de papel reciclado usa-se 2.000 litros de água
  2. para produzir 1 Tonelada de papel não-reciclado usa-se 100.000 litros de água — 5.000 Kwh e 50 a 60 árvores
  3. 1 Tonelada de papel equivale a cerca de 210.000 folhas Ou seja, estamos falando então de 108 toneladas de papel não usadas, uma economia fantástica de insumos e de carbono, pois uma NFe é um documento que tem seu ciclo de vida eletrônico, circula em nossas redes e realiza sua função desta forma. E ressalte-se que estamos falando apenas do Sistema Público de Escrituração Digital — SPED, devemos somar a esta métrica de economia, o peticionamento eletrônico, o "Hospital sem papel" com o seu PEP, o contrato de câmbio eletrônico, etc.

  1. "Portal da Nota Fiscal Eletrônica":http://www.nfe.fazenda.gov.br []