O linux que uso em casa hoje é o velho Slackware. O interessante nesta distribuição é que ele se propõem e é efetivamente simples. O que pode parecer paradoxal a quem lê. O usuário inicia pelo DVD, carrega o kernel, criam-se as partições com fdisk ou cfdisk (se desejar em curses), inicia o setup. que é um simples menu feito com o velho e eficiente dialog, escolhe a partição alvo, formata no sistema de arquivos que desejar (ext2, ext3, jfs, etc.), indica a origem da instalação (no caso o DVD), escolhe os pacotes que estão na mídia, e voilà.  Depois o usual: criar senha do root, instalar o LILO e por aí... Simples, rápido e eficiente.

Uma das deficiências do ponto de vista de um usuário é a falta de pacotes de instalação, como os têm aqueles Linux consagrados (Ubuntu, Suse). A ISO original de instalação do Slackware64 14.0 é bem completa, mas sempre faltará algo. Este é o objetivo do site slackbuilds.org, fornecer o link para o software desejado e o script para a compilação do mesmo. Ou seja: ele não armazena nada, e você terá que baixar o código-fonte e gerar um pacote Slack.

One of the frequent criticisms of Slackware is the lack of official packages available. While the official package set provides a good, stable, and flexible operating system (and is quite adequate for many individuals), the fact remains that many users want/need quite a few additional applications in order for it to meet their needs.